Artigo

Salvar vidas ou salvar a economia?

Articulista escreve sobre "falsa dicotomia"

JOÃO PAULO DA FONTOURA*

O título acima propõe uma falsa dicotomia, uma volta ao arianismo do início do cristianismo, do Cristo é divino, ou Cristo não é divino. Coronavírus, salvar vidas e destruir a economia, ou salvar a economia e deixar a nossa população à deriva, morrer à Itália.

Pessoal, a decisão não pode e não é binária, tipo: ou um, ou outro. Necessariamente tem que haver espaço para caber (com inteligência) as duas propostas em caminhos paralelos, certamente com um olhar mais focado na questão humana.

Se prevalecer a decisão de só se salvarem vidas, só se olhar para um caminho (que, concordamos todos, tem um apego emocional muito forte e é o caminho mais “fácil” e perigoso, pois tem forte poder em promover “profetas do apocalipse”, “demagogos”), a economia recessiva que virá – é certo! – vai cobrar pesadamente em vidas humanas sem a menor dúvida.

Segundo a revista “Crusoé”, com dados colhidos da FGV (Fiocruz), o tranco na economia entre 2012 e 2017 provocado pelos (des)governos Lula/Dilma, só pelo efeito desemprego, ceifou a vida de 31 mil pessoas, cinco mil por ano. Mas as perspectivas, agora, são de uma recessão muito maior, ergo, preparemo-nos para a tragédia que virá.

Informações vindas de economistas de nomeada, gente do FMI e outros, não há no mundo economia que resista a dois meses de um “paro general” sem profundo estrago, nem Estados Unidos, nem Suíça, nem Dinamarca, nem ninguém!

Com isso quero dizer que é injusto o pesado opróbrio que políticos e críticos apontam na direção do presidente Bolsonaro, que está, sim, extremamente preocupado com as consequências da quarentena radical e fala, talvez demais, e provoca, talvez demais, e instiga, talvez demais, sobre o tema.

Acho que um governo pode errar por comissão, jamais por omissão. Apesar dos alertas, das falas do presidente, o governo Bolsonaro — seus ministros, seus assessores, principalmente o Mandetta — está fazendo um trabalho muito bom no combate à doença, digno de reconhecimento de todos nós brasileiros. O mundo já reconhece!

Os textos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não expressam necessariamente a opinião do jornal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: