Ausência polêmica e anúncio de verba marcam sessão da Câmara

Alegando problemas de saúde, Clóvis Bavaresco não compareceu e segue sem falar sobre condenação

Espaço entre os colegas Marquinho e Tio Nei ficou vago no último dia 30 de maio | Foto: Juliano Kern

Ocorrida em 30 de maio, a última sessão da Câmara de Vereadores de Taquari teve como ponto alto o discurso de Tio Nei (PSDB). Na tribuna, ele destacou a conquista de R$ 700 mil em recursos para a saúde no município, resultado de viagem a Brasília realizada entre os dias 7 e 10 do mês passado. Clóvis Bavaresco (PP), condenado a indenizar em R$ 8 mil a deputada Maria do Rosário (PT-RS), não compareceu.

Os vereadores Ramon de Jesus (PT) e Vânius Nogueira (PDT), no início de suas exposições, salientaram a presença da reportagem de “O Taquaryense”, que depois de longos anos voltou a ocupar espaço entre os órgãos de imprensa no Legislativo. “Saudamos o retorno deste que é um dos mais importantes veículos de comunicação do Brasil. Sabemos da competência do jornal e desejamos um bom trabalho”, declarou Ramon.

Fruto de verba parlamentar do deputado federal Pedro Westphalen (PP-RS), o investimento de R$ 700 mil na saúde foi comemorado por Tio Nei. Responsável por anunciar o aporte financeiro viabilizado pelo parlamentar gaúcho, ele destacou o retorno positivo que gerou sua ida à capital federal, acompanhado dos colegas Leandro Mariante (PT), Marquinho (PSDB) e Pastora Mara (PSDB). Conforme nota divulgada pela assessoria de imprensa do deputado, o recurso seria aplicado em melhorias no Hospital São José. Porém, segundo a administração municipal, a quantia só pode ser destinada à área de saúde básica.

Em meio à movimentação nos bastidores da Casa, chamou atenção a ausência do vereador Clóvis. Em 28 de dezembro de 2017, ele proferiu ofensas pelas redes sociais contra a deputada federal Maria do Rosário, após ela ser vítima de assalto no portão de casa, e foi condenado a pagar uma indenização de R$ 8 mil por danos morais.

Ao saber da decisão, a parlamentar comentou que “a cultura do estupro deve ser combatida insistentemente, e uma das formas de fazê-lo é responsabilizando os que a produzem e fomentam”. Ela disse ainda esperar que “esse fato sirva para o debate na sociedade sobre o machismo, a cultura do ódio e outras formas de sociabilidade inaceitáveis”.

Clóvis, por sua vez, não se manifestou após a decisão da Justiça. A companheiros de Câmara, ele alegou que problemas de saúde impediram sua presença na última sessão. Conforme estabelece o regimento da Casa, o vereador tem até o próximo encontro no Legislativo, que acontece na quinta-feira, 13, para apresentar algum documento que justifique sua ausência. A reportagem tentou entrar em contato com Clóvis para saber mais detalhes, mas não obteve retorno.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.